Colecistectomia

 

Colecistectomia

A colelitíase corresponde a presença de pedras na vesícula, sendo bastante comum em nosso meio ocidental. Acomete cerca de 10% da população, sendo muito mais prevalente no mundo ocidental.

Alguns fatores predisponentes são:
Mulheres em idade fértil, sobrepeso, ao redor dos 40 anos.
Rápida perda de peso: grandes perdas de peso em pouco tempo ou dietas com muito baixa caloria também são fatores de risco.

Pessoas que permanecem em Jejum por Periodos prolongados com freqüência.
Dentre os sintomas mais comuns da colelitíase (pedra na vesícula) encontramos:

- Dor intensa no lado direito do abdome, em cólica
- Náuseas e vômitos principalmente após ingestão de alimentos gordurosos
-Sintomas de digestão difícil
-intolerância a alimentos gordurosos

Diagnóstico

Atualmente o exame mais preciso para o diagnóstico de pedras na vesícula é a ultrassonografia de abdome. Algumas vezes o paciente descobre que tem pedras na vesícula durante a investigação de outra doença ou de outras queixas. No caso da suspeita de que alguma pedra migrou para o canal da bile, esta pode ser diagnosticada e retirada no pré-operatório através de um exame endoscópico conhecido como colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE).

Quando o cálculo obstrui o canal de drenagem da bile, o paciente pode apresentar icterícia (coloração amarelada da pele). Isso ocorre porque a bile fica "parada" na vesícula e a bilirrubina (pigmento amarelado presente na bile) vai sendo absorvida e passa para o sangue. Nesses casos, a urina pode ficar escura e as fezes claras.

Tratamento da Colecistectomia

O tratamento da colelitíase é na grande maioria dos casos, cirúrgico, por laparoscopia (colecistectomia).

Como é a cirurgia?

Colecistectomia videolaparoscópica: são feitas quatro incisões de 0,5 a 1 cm, em uma delas entra um sistema ótico conectado a uma microcâmera e a vesícula é retirada por um desses orifícios. A recuperação é mais rápida e o paciente geralmente apresenta menos dor no pós-operatório. Hoje em dia a colecistectomia videolaparoscópica é o tratamento de escolha para a maioria dos pacientes.

Complicações da Colelitíase

Quando a pedra permanece na saída da vesícula por um período prolongado ocorre uma complicação chamada colecistite aguda. É uma inflamação aguda da vesícula biliar com dor intensa, constante geralmente acompanhada de febre. O tratamento é o mesmo, a colecistectomia videolparoscópica.

A coledocolitíase é o resultado da migração de uma pedra de dentro da vesícula biliar para o canal da bile. Nestes casos o paciente fica ictérico pois a bile fica impedida de chegar ao intestino , acumulando-se no fígado e sangue.Nesta situações deve ser retirado o cálculo do canal e realizada a colecistectomia no mesmo procedimento ou logo após.

A colangite e a pancreatite são as complicações mais graves secundárias à migração das pedras para o canal da bile.

Nesta situações trata-se primeiro a complicação e na sequência procede-se a colecistectomia videolaparoscópica. Nos últimos meses temos realizado a colecistectomia por um único orifício de cerca de 2 cm, chamandose esta de procedimento Single Port, com melhor aspecto estético, menos dor no pós-operatório e melhor resultado final.

Dr. Vladimir Schraibman

Graduado em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo, com mestrado e doutorado em Ciências Médicas pelo Departamento de Cirurgia da Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina, Dr. Vladimir Schraibman é especialista em cirurgia geral, gastrocirurgia e orientador de Cirurgias Robóticas da área de Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo do Hospital Israelita Albert Einstein (Proctor Intuitive Robotic System) e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Videolaparoscópica (Sobracil). É médico colaborador do Setor de Fígado, Pâncreas e Vias Biliares do Departamento de Cirurgia da Universidade Federal de São Paulo, além de integrar o corpo clínico do Hospital Albert Einstein. Tem diversos artigos publicados em revistas e jornais científicos do Brasil e do exterior, além de intensa participação em congressos nacionais e internacionais.


Especialidades: